MAKE VENTURE
CAPITAL
GREAT AGAIN

Quando começamos o trabalho com o B1, a empresa se chamava Barrah Labs. O projeto ainda era um teste dentro de um family office, uma ideia apenas: trazer para perto empreendedores de alto potencial e analisar as iniciativas com um olhar de investidor.

O processo de branding também foi uma iniciativa de descoberta do que tinha valor naquela ideia. Descobrimos que o espaço e a comunidade eram muito valiosos, o que refletiu em uma mudança física no escritório.

O maior desafio era de posicionamento, pois o espaço não era venture builder, nem incubadora, nem aceleradora, nem coworking. Foi daí que fizemos do limão uma limonada e usamos a não-definição a nosso favor, começando pelo nome, que já entrega toda a proposta de valor da marca: B1 representa o Basecamp 1, a primeira parada a caminho do Everest, onde os escaladores que querem chegar ao topo se ambientam e se preparam para os desafios que estão por vir.

Preto e branco representam o início, um sketch, o que ainda está por ganhar vida. Elementos de construção mostram a jornada. Paixão e caos estão presentes o tempo todo, em todos os lugares, mas em harmonia.

“Antes do projeto de branding, as pessoas perguntavam o que eu tava fazendo e eu desconversava, porque não sabia dizer o que era. Hoje, tem um fluxo de empreendedores que querem entrar, investidores que querem investir junto e muita gente que vem aqui conhecer e adora o espaço.” 

Pedro Sirotsky, founder do B1 


“Vi uma matéria sobre o B1, entrei no site e quando vi o manifesto me deu vontade de trabalhar lá. Mandei um e-mail e hoje estou aqui no B1.” 

Luiz Caramez, community manager

“Antes do projeto de branding, as pessoas perguntavam o que eu tava fazendo e eu desconversava, porque não sabia dizer o que era. Hoje, tem um fluxo de empreendedores que querem entrar, investidores que querem investir junto e muita gente que vem aqui conhecer e adora o espaço.” 

Pedro Sirotsky, founder do B1 


“Vi uma matéria sobre o B1, entrei no site e quando vi o manifesto me deu vontade de trabalhar lá. Mandei um e-mail e hoje estou aqui no B1.” 

Luiz Caramez, community manager