Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Lovebrand: como criar uma marca que as pessoas amam?

Relacionamento entre pessoas e marca: será que dá match?

Apple, Ferrari, Channel. E tantas outras. O que essas marcas têm em comum? Bom, é fácil encontrar pessoas apaixonadas por elas. E seus produtos são itens de desejo no mundo inteiro. Dizemos, então, que essas marcas têm mais do que clientes; elas têm fiéis, fãs, advogados, amantes, apaixonados. Dizemos, então, que elas são Lovebrands.

As Lovebrands estão entre nós e são marcas mega relevantes para seus públicos. As pessoas conseguem se conectar com seus valores, suas narrativas e seus produtos. E essa narrativa encanta tanto a ponto de formar embaixadores, que levam essas histórias adiante, já que esses “brand lovers” se identificam com seus discursos e com o seu propósito.

“Marcas são o front-end, a interface da empresa. É com elas que os clientes se relacionam.” (Guta Tolmasquim, CEO da Brand Gym).

E, por isso, precisam construir bons relacionamentos, certo?

A era Brand Centric

Para ser uma Lovebrand, sua marca precisa entregar valor, para que as pessoas consigam se conectar e sentir que ela faz parte de sua vida.

Deixamos pra trás uma era de empresas centradas em produto e estamos vivendo, agora, uma nova era: a da Brand Centric Companies. Nesse novo universo, as pessoas querem criar conexão. Cabe às marcas construírem bem seus discursos para alcançar esse status premium – porém difícil e competitivo – na mente das pessoas. 

E quais são as características das Lovebrands?

Temos uma boa notícia: não existe mistério sobre por que algumas marcas são tão amadas e outras não. Vamos entender melhor?

  • Toda Lovebrand tem que ter um bom produto. Marca e produto precisam conviver em equilíbrio.
  • É necessária uma cultura organizacional consolidada na empresa. Não é só o marketing que cuida da marca, e sim a empresa como um todo e todos os times.
  • Marca é consistência; com um discurso alinhado em todos os pontos de contato, o consumidor cria mais vínculo e conexão.
  • Marcas precisam ser verdadeiras, relevantes para os consumidores e diferenciadas no mercado – os 3 pilares mais importantes de um bom posicionamento.

Viu só? Nem parece tão complicado quando vemos desse jeito simples. Mas praticar tudo isso é um tanto diferente.

Mas peraí: todas as marcas devem ser uma Lovebrand?

Antes de querer posicionar todas as marcas do seu portfólio como Lovebrand, é preciso entender a estratégia de negócio de cada uma delas, para só então decidir qual marca deve criar conexões com as pessoas. 

Alguns caminhos podem ajudar aqui:

01) Qual é a estratégia de preço? 

02) A marca é de commodities? 

03) Quais são os canais de venda mais usados? 

04) Qual o prazo de recompra de produtos etc. 

A lista de investigação é grande até se chegar à resposta se sua marca tem potencial de ser ou não uma Lovebrand.

Para marcas que têm como objetivo ocupar a posição de Lovebrand, investir em estratégia de marca é o caminho. Quanto mais awareness, mais conhecimento sobre ela, e mais clareza sobre suas histórias e seus produtos. Com uma marca mais forte, seu lead chega mais quente ao funil de venda, diminuindo seu CAC. Ponto pra marca. Ponto pro negócio.

Como conquistar o coração dos consumidores?

Entender seu consumidor com profundidade é o primeiro passo para se criar conexão. E não podemos esquecer das características de toda Lovebrand, que já dissemos antes: cultura consolidada entre o time; posicionamento bem definido, verdadeiro, relevante para seu consumidor e diferenciado no mercado. Tudo isso feito com consistência ao longo do tempo vai levar sua marca direto para os corações dos seus clientes.

Outro recado importante: você não precisa ser tudo. Empresas fortes sabem o que são, mas entendem muito bem o que não são. Se você expande muito sua oferta, o consumidor fica com dificuldade de entender o que você faz. Quanto mais amplo for seu portfólio, mais tempo você levará para se fazer compreendido. E quer saber? Ninguém compra aquilo que não entende.

Ser uma Lovebrand é uma consequência: não existe fórmula mágica, nem é só sobre o que você fala ou faz, mas, sim, sobre o que você entrega com qualidade e consistência. 

Dá pra transformar uma marca em Lovebrand no curto prazo?

Dá, sim. É por isso que amamos trabalhar com startups. O segredo é achar seu Product Market Fit. Com isso, você define seu nicho e entrega muito mais valor, em vez de pulverizar seus esforços sem foco. As pessoas que conhecerem sua proposta não vão mais conseguir viver sem você. É quando você se torna, finalmente, uma Lovebrand.

***

Curtiu este artigo? Então, nos ajude a levar branding para outras pessoas, compartilhando esse conteúdo com quem você sabe que vai gostar. 😉

Conheça também nossa super Biblioteca de conteúdo de Branding.

PAPO COM COMERCIAL
SÓ CHAMAR QUE A GENTE VAI

Qual é o seu desafio? Conta pra gente! Nosso time comercial está esperando seu email, respondemos no mesmo dia (útil).

BRAND NEWS

Uma carta de amor ao branding quinzenalmente na sua caixa de email. Curadoria do melhor conteúdo feito pelo time Brand Gym e por outros produtos de conteúdo incríveis. VEM!

Ok
bgebge

Quer crescer com a gente?

Conte para o nosso time seu desafio e vamos voar juntos. Aqui, trabalhamos com superpoderes de crescimento. Então entre contato que nosso o comercial já está te esperando, respondemos no mesmo dia útil.